A IMPORTÂNCIA DA FISIOTERAPIA NA GRAVIDEZ E NO PRÓPRIO PARTO

Apesar de ainda pouco disseminada dentro da obstetrícia, a fisioterapia pode trazer benefícios significativos durante a gravidez, no parto e mesmo no puerpério — as semanas seguintes ao nascimento do bebê. Ao longo da entrevista, Sandra Sisla, fisioterapeuta, esclarece esses pontos.

Ela também aponta sua especialidade como uma forma de reduzir as altas taxas de cesáreas no Brasil. Mas reitera: “As mulheres submetidas a esse tipo de parto também se beneficiam da fisioterapia”. Confira:

NO PARTO EM SI, O QUE A FISIOTERAPIA PODE FAZER?

Queremos ajudar a mulher a ter seu processo de trabalho de parto de forma mais orgânica, ajudando a cuidar da dor, a lidar com o cansaço. São recursos de alívio de sintomas e de boa dinâmica da bacia.

O fisioterapeuta conhece a biomecânica e os movimentos. Tem um olhar para ajudar caso surja algum entrave. E também a possibilidade de mostrar para a mulher que é possível fazer certos movimentos facilitadores do processo do parto.

No caso das massagens, a proposta é tirar a concentração da dor para colocar em outros estímulos. Isso pode fazer a mãe passar pelo processo da dor de forma mais tranquila.

Esse é um trabalho que idealmente começa antes do parto. A preparação é superimportante para que a mulher tenha um repertório de movimentos e ações no parto.

ENTÃO VAMOS PARA OS NOVE MESES DE GESTAÇÃO. QUAL O PAPEL DA FISIOTERAPIA NESSA FASE?

Há um trabalho global e corporal, que começa desde o segundo trimestre ou até pouco antes.

Que é um trabalho de movimento, de dinâmica de bacia, de postura. Até no sentido preventivo, porque o eixo corporal vai mudar. A gente traz recursos que podem ajudar a mulher a passar por esse momento da gestação de forma tranquila e fazer a preparação para o parto.

Te informar, #IssoéCACSS